banner-topo-01.png

As lições (e voltas) que a vida no exterior pode nos trazer

Hoje acordei pensativa. O ano está acabando e isso me levou a uma grande reflexão. Como foi o seu ano de 2019? Para mim o ano não começou fácil não. Logo no início me vi diante de uma situação difícil e inesperada. Sofri, chorei, cresci e aprendi. E o que eu aprendi ?


Aos 40 anos eu finalmente aprendi que nossas decepções e frustrações são causadas por nós mesmos. Pela expectativa que criamos dos outros. Tive raiva, quis colocar pra fora tudo o que estava passando pela minha cabeça. Me segurei. Aluguei meus amigos com longos desabafos (obrigada amigos), e ouvi do meu marido que eu ainda iria agradecer por aquela situação, que eu considerava tão injusta, ter acontecido. E não demorou muito para que eu o desse razão. A vida é mesmo incrível.


Este ano também criei meu blog e voltei a escrever. Desde então, tenho recebido tanto carinho e positividade, que mesmo se pudesse voltar atrás, esolheria viver tudo de novo. A mesma decepção (deixo aqui subentendido, minha gratidão àqueles que me fizeram chorar. Vocês não podem imaginar o bem que me fizeram). Ali, durante aqueles dias difíceis me vi face à uma escolha : lutar eu mesma pelos meus sonhos, não temer, confiar em mim e em tudo que construí nos últimos anos, ou continuar me lamentando e me deixando levar pelos sentimentos negativos dos outros, bem como suas opinões, que nada me acrescentam, muito pelo contrário. Então, escolhi acreditar em mim e assim transformei aquele limãozinho em uma big limonada. E neste percurso tive a oportunidade de encontrar pessoas fantásticas, grandiosas, que me inspiram, que me deram as mãos, e, desde então, caminham ao meu lado.


"Se formos capazes de lucrar com as nossas derrota e desgostos, nunca mais haverá perda em nossa vida"

Carol Dweck - Mindset, a nova psicologia de sucesso.


Eu entendi que para alcançarmos nossos objetivos precisamos ir além de todo e qualquer esforço. Precisamos ter coragem para enfrentar nossos medos e por vezes quebrar alguns paradigmas e regras. Entendi que os obstáculos surgem para todos nós, e para superá-los precisamos entender que a chave para a realização dos nossos sonhos está em nós mesmos, e não no que os outros podem fazer por nós. Entendi que « os outros » nem sempre querem nosso sucesso e por vezes inclusive, temem o mesmo.


Entendi que na minha casa só devem entrar meus verdadeiros amigos, e também que por mais idôneas que algumas pessoas possam parecer, não devemos (definitivamente) confiar nas aparências. Esse erro não cometo mais.


Leia também: Como tudo começou. Minha chegada em Genebra e dicas de adaptação


Aprendi a me calar e também a meditar. É maravilhoso, você já tentou? Estudei sobre física quântica e esta vem pouco a pouco me transformando. Recomendo.


Aprendi a perdoar a mim mesma e entendi que realmente cada um de nós oferece aquilo que tem no coração : se tem-se amor e empatia, oferecemos amor e empatia, se tem-se maldade e egoísmo, oferecemos maldade e egoísmo, e, sobretudo, decidi que eu não vou deixar de ser como sou por causa de pessoas com as quais não me identifico. Pelo contrário, continuarei a ser exatamente como sou, pois além de ser a melhor maneira de honrar meus pais que me criaram com tanto amor e integridade, entendi que eu sou assim, que eu gosto de ser assim, e que eu quero e vou continuar sendo assim. Não gostou, passa direto. O problema é seu e não meu. Enxerguei o meu real valor e me dei este valor. Não deixo mais as pessoas me diminuírem. Se você não consegue fazer o mesmo, digo de coração : pelo menos tente.


O ano de 2019 foi um ano de amadurecimento, da qual saio vitoriosa, grata e muito feliz. Foi neste ano que me tornei a maior fã de ditados populares como : « o mundo gira», ou então « a verdade sempre vem a tona », não é que são super coerentes ? Este ano também deixei de me preocupar com o que os outros pensam sobre mim, afinal cada um pensa e fala o que quer, e eu nada tenho a ver com isso. Aprendi a lidar com pessoas completamente diferentes de mim de maneira completamente impessoal. Acho que aprendi a fazer a famosa « cara de paisagem ». Estou amando !