Curtindo o natal longe de casa

O mês de dezembro não chega sozinho. Ele vem carregado de emoções, memórias afetivas, saudades e por aí vai. São as lembranças da ceia em família, do amigo oculto, sem esquecer do peru de natal. Algumas pessoas ficam mais sensíveis do que as outras (eu sou uma dessas), e nosso pensamento costuma girar em torno da família e dos amigos que estão no Brasil, não é mesmo?


Primeiro natal fora do Brasil


Me lembro muito bem o que senti no meu primeiro natal longe da minha família. Foi horrível, foi triste, foi solitário…. Como eu chorei naquele dia. Naquele dia eu tive a certeza de que estava no lugar errado. Só pensava em voltar para o Brasil. Quem me « salvou » foi o David. David é afegão e é também um amigo muito especial pra mim. Infelizmente o tempo e a rotina nos afastaram, mas meu carinho e gratidão por ele são eternos. Graças a ele e sua família consegui dar alguns sorrisos naquela noite de natal.


Em 2005, três anos após minha chegada em Genebra, quando eu já estava estabilizada em diversos aspectos da minha vida, decidimos que a partir daquele ano passaríamos todos os natais no Brasil. E assim fizemos durante quase 10 anos. Foi maravilhoso!! Sou muito grata a Deus e à vida por terem me permitido comemorar tantos natais ao lado da minha família.


Acontece que a medida que os anos passavam e a Gabi crescia, fui entendendo que os natais no Brasil estavam com as horas contadas. A escola aqui além de ser obrigatória é extremamente controlada pelo governo. As crianças não podem faltar sem justificativa, logo, teríamos que mudar o mês da nossa viagem ao Brasil de dezembro para julho/agosto, ocasião das férias escolares.

Um pouquinho da nossa decoração

O mais difícil de estar longe da família nesta data, em minha opinião, é o sentimento de solidão causado. Vemos as pessoas a nossa volta fazendo seus planos para a noite do dia 24, o colega de trabalho reclamando de ter que se reunir com a família por obrigação ou aqueles que estão de malas prontas para comemorarem a data com os seus. Então um sentimento de solidão começa a brotar no nosso peito, e, se dermos espaço, aos pouquinhos ele vai se instalando na gente de tal maneira, que o natal passa a ser uma data triste. Mas será mesmo que nós, expatriados, estamos fadados a ver o natal como uma data triste ? Tenho certeza que não.


Nosso último natal no Brasil (até então), foi em 2013. Me lembro perfeitamente. Foi maravilhoso como sempre, e, como tinha aquele gostinho de « último natal no Brasil por muito tempo », aproveitamos muito de tudo e todos. Desde então nossos natais são com a família do Steph e completamente diferentes dos nossos natais no Brasil.


Antigamente eu ficava muito triste no mês de dezembro, mas é aquela velha história, vamos envelhecendo e amadurecendo. Minhas filhas são pequenas e como a maioria das crianças, elas amam o natal. Dezembro é o mês mais aguardado do ano por elas, e a minha tristeza era percebida por todos. Aí entendi que morar longe não quer dizer necessariamente que seu natal será triste. Entendi que se eu quisesse que as minhas filhas pudessem ter memórias tão especiais dos natais na infância assim como eu, eu deveria sim trazer a magia do natal para a minha casa e minha família aqui na Suíça. E foi o que aconteceu ! Antigamente o mês de dezembro era o mês mais apreensivo do ano para mim, hoje voltou a ser o mais esperado.


Dá uma olhada nas dicas :


· Transforme o dia de montar a árvore em um pré-natal, e então este se tornará um dia quase tão esperado como o dia do natal. Montamos juntos a árvore, em família, e sempre ao som de jingle bells (capriche na playlist natalina) . Decoro toda a casa e se permita entrar no clima.


· Faça um amigo oculto « sem fronteiras ». Escolha um dia para fazer o sorteio pela internet e pronto. Atualmente é tão fácil comprar um presente pela internet e solicitar a entrega em outro país, que até amigo oculto dá para fazer.


· Use e abuse das novas tecnologias durante a noite de natal. Apesar do fuso horário a gente sempre encontra um momento para brindar em família.

Laís e o papai noel!

· Se entregue ao clima de natal da sua cidade de residência. Aqui como estamos no inverno, a época de natal também é época de curtir as diversas pistas de patinação no gelo espalhadas pela cidade. Há também as feirinhas de natal ao ar livre, vale a pena o passeio.


Leia também: Comemorando datas especiais longe de casa. Dicas para driblar a saudade!


· Não deixe a melancolia tomar conta dos seus pensamentos. Escolha curtir o mês de dezembro e o natal da mesma maneira que você curtia no Brasil. Acredite, é possível e só depende de você ! A força dos nossos pensamentos é impressionante.


· Não se culpe, nunca ! A vida é um ciclo e nós estamos apenas vivendo o nosso. As pessoas que nos amam verdadeiramente sabem e entendem muito bem isso.


E como fica o coração na noite de natal ?


Fica cheinho de gratidão por ter tido tantas oportunidades maravilhosas em minha vida, e ter vindo para à Suíça foi certamente uma dessas oportunidades maravilhosas. Eu acho que é muito importante encararmos de frente os desafios que a vida nos apresenta. Não seja a vítima, mas o protagnista da sua própria história.


Morar longe foi uma escolha minha, e passar os natais distante da família é uma consequencia dessa escolha, e, por ora, inevitável. Então tá tudo bem, afinal como diz o Jason Mraz "you can see that your home's inside of you".


Desejo que o seu natal seja lindo e repleto de bençãos!

Cris!


Leia também: A distância e a culpa


  • Facebook Diário de uma Expatwoman
  • Instagram Diário de uma ExpatWoman

© 2019 por Diário de uma ExpatWoman. Todos os direitos reservados.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now