Como vivem as famílias Suíças?

(É importante lembrar que nem todos os Suíços vivem da mesma forma, e que além de me basear nos hábitos culturais, também me baseei em experiências vividas por mim. Não se trata de uma generalização)


Há muitos anos, pouco tempo após a minha chegada aqui em Genebra, ouvi uma frase que muito me marcou: “Os Suíços não colecionam bens materiais, eles colecionam carimbos no passaporte”. Esta frase me marcou tanto que eu nunca esqueci. E é verdade gente. A maioria dos Suíços não se preocupam em ter o carro mais caro e luxuoso, a bolsa de marca, o telefone do ano, ou a festa de aniversário mais bonita. As famílias Suíças têm hábitos simples. Elas adoram por exemplo passar tempo ao ar livre, mesmo no inverno. Aliás um dos lazeres favoritos aqui são as trilhas em família, que existem em diferentes níveis de dificuldade para que as crianças possam participar do passeio desde bem pequenininhas. Como o inverno é muito longo e gelado, os Suíços lidam numa boa com o frio. Para eles frio não é impedimento para nada. Já para mim... Tenho muita dificuldade de sair para passear ao ar livre quando a temperatura está 0ºC. Não gosto de sentir frio e não me acostumo, sem esquecer da chatice que é ter que colocar 1001 roupas e acessórios para “aguentar”.


Qualidade de vida

O que têm realmente valor para os Suíços é a qualidade de vida. Além de darem grande importância as atividades físicas, também gastam sem contar quando o assunto é alimentação.

Meu marido, o Stéphane, tem uma tia de 69 anos que todos os domingos faz uma trilha em uma montanha na França vizinha chamada Salève. São entre 5 e 8 horas de caminhada, sendo 3 horas de subida. Ela faz isso há mais de 10 anos. E porquê? Porque aqui as pessoas têm consciência dos benefícios que a atividade física traz ao corpo, e então praticam. É muito comum. Agora vejam bem, eu com 40 anos não consigo fazer a mesma trilha. Este é um hábito que eu adoraria ter, mas infelizmente (ainda) não tenho.


Petiscos de Legumes

Em relação à alimentação, mesma coisa. Há uma grande preferência e valorização pelos produtos locais. Inclusive eu aprendi a comer vários legumes aqui, pois ser convidado para almoçar/jantar na casa de Suíços, resulta em comer muitos legumes na entrada, no prato principal e se bobear até na sobremesa! *risos*. Eu que era “a fresca” com legumes melhorei bastante, mas ainda estou longe de ficar como eles. Até as crianças comem super bem. Não é raro nas festas de aniversário que a Laís vai, o lanche ser mexericas, bananas, morangos, ou então legumes crus como pepino, cenoura e etc.... Refrigerante então é raríssimo. O único doce é o bolo do aniversariante e as lembrancinhas. As crianças convivem muito bem com isso, pois é um hábito. Elas comem, repetem e adoram de verdade. As minhas filhas têm certa dificuldade com isso por causa da mãe (no caso eu mesma) que não colabora muito. Como este não era um hábito que eu carregava comigo, eu ficava espantadíssima nos aniversários e ainda reclamava com o marido que as festas eram sem graça. Tentei nos primeiros aniversários da Gabi servir coxinha, empadinha e brigadeiro. Resultado: ninguém comeu. As crianças olhavam espantosamente para os brigadeiros e por mais que eu dissesse que “aquilo” era de chocolate, elas provavam e não gostavam. O que aconteceu? Tive que me render as mexericas e pepinos.... hehehehehe.


As crianças são criadas para serem independentes e respeitarem as regras

Diferentemente de nós, latinos, que somos muito protetores com os nossos filhos, aqui os pais criam as crianças para serem independentes o mais rápido possível. Lembro quando recebi a carta para inscrever a Gabi na escola, vieram algumas recomendações:


* É necessário que a criança saiba dar laço nos sapatos

* Vestir e tirar o casaco sozinha

* Ir ao banheiro também de maneira autônoma.


Claro que se a criança não estiver pronta, a escola não irá se recusar a acolhê-la e nem os professores irão se recusar a ajudá-la. Porém os pais serão fortemente incentivados, bem como a criança a dar estes passos sozinha. Os pais são parceiros da escola, o que quer dizer que eles não questionam o regulamento. Regras foram feitas para serem cumpridas. Os pais não tentam negociar com a escola. Nossa família por exemplo (como tantas outras), não vai mais ao Brasil passar as festas de fim de ano porque é proibido faltar de aula. Eu entendo, aceito e respeito, e as estatísticas realizadas pelo Cantão de Genebra no final do ano letivo em 2017, mostraram que mais de 70% dos alunos foram aprovados, ou seja, o sistema parece funcionar bem.



Os Suíços são frios e egoístas?

Outro ponto muito falado sobre os Suíços é a frieza e egoísmo. Você também pensa assim? Ao meu ver não é bem assim não, sabe porquê? Porque se trata da cultura de um país. Em Genebra o respeito a individualidade de cada um é parte integrante da cultura, e não necessariamente indica frieza ou egoísmo. Isso quer dizer que o fato de você não ir na casa de um amigo sem avisar, não significa que o amigo é chato ou sistemático, significa que você sabe muito bem que chegar na casa dos outros sem avisar pode ser inconveniente, afinal como saber o que seu amigo está fazendo? Será que ele tá afim de receber visita? E se tiver a sós com a esposa comemorando o aniversário de casamento? O ideal é programar e não pegar ninguém desprevenido. É um gesto preventivo.

Confesso que eu AMO essa maneira reservada de viver. Quando cheguei aqui achava sim diferente e sentia falta de “casa cheia”, dos almoços barulhentos de domingo, adorava uma farra. Mas hoje eu aderi 100% a esta vida recolhida e mais discreta. Conheço muita gente aqui em Genebra, mas posso contar nos dedos de uma mão os amigos que frequentam a minha casa.

E a frieza? Também não vejo como frieza o que muitos chamam de frieza – hehehehe – um exemplo, os Suíços têm o hábito de irem para um asilo a partir de uma certa idade. Realmente esse comportamento nos assusta, pois nós não fomos criados assim. Fomos criados para cuidarmos de quem cuida da gente, e por isso achamos um absurdo. Filhos que colocam pais no asilo, são ingratos. Eu também pensava assim. Até que comecei a reparar, conversar com os idosos e seus filhos, perguntar o porquê desse comportamento, e aí sim eu entendi. Na verdade, muitas vezes são os próprios idosos que fazem esta escolha. Normalmente acontece quando ficam sozinhos. As casas de repouso aqui são muito bem estruturadas e em sua maioria contam com restaurante. Os idosos recebem visitas, fazem diversas atividades, constroem amizades, saem para passear, enfim, continuam tendo uma vida ativa, não ficam sozinhos e ainda são bem cuidados. Então gente nem sempre é frieza, as vezes é apenas um desejo conjunto de toda a família.


Pista de patinação no gelo ao ar livre

Cada país tem seus hábitos e sua cultura, e eu não penso que isto o torna melhor ou pior do que os outros. Afinal é esta diversidade que tanto enriquece nosso mundão! Sendo expatriada acho muito importante e fundamental para uma boa integração em novo país, que o “Brasil saia de dentro da gente” assim como nós saímos do Brasil. Como já disse em um dos meus textos, não dá para viver na Suíça e querer fazer pagode e churrasco todo fim de semana!


Agora vamos trocar figurinhas? Me diga o que você achou do estilo de vida dos Suíços? Parece com o estilo de vida do país aoned você mora? E aonde você mora?

Me conte nos comentários!!


Bjs, cris!

  • Facebook Diário de uma Expatwoman
  • Instagram Diário de uma ExpatWoman

© 2019 por Diário de uma ExpatWoman. Todos os direitos reservados.